Muji’s mission statement for the New Year raises a couple of interesting issues relevant to the wide world of design culture. The initial premise is the focus on providing products that are “enough” and not necessarily “the best”. Basically, the idea is that we should aim to design goods that are adequate to the customers needs. Now the truth is that we live in a world where many of us are drawn to the concept of “top of the line”, even if that may not be the most rational choice regarding our own personal parameters. Say, for example, that you want to buy a mobile phone. You may fancy for the best mobile the market has to offer. You start desiring that Iphone or that Blackberry you’ve read about, even though you may end up not using a tenth of all the functions it has to offer. You’re fancying the object, not the tool that’s adequate to you.
Another example of this trace in contemporary consumption culture is a digital camera. Some people pay a lot of money for a top camera even though they have never processed (or plan to process) a RAW image file. Maybe they don’t even know what RAW is. It takes a lot of dedication and time to fully explore a powerful photographic camera these days, but again, it becomes a yearning for the object, that wonderful camera you’ve fallen in love with. And you may end up doing this in many other things in life, like that premium sound system you bought, even though you don’t have a living room big enough to sustain it. Or the lifestyle to invest some quality time into listening to that huge CD library you possess.
I’m not saying there’s anything wrong with having desires in life. But when it comes to consumption, often it’s not rationality that’s driving the consumer’s choices. And this is where sustainability comes into play. Because sustainability lies in the adequate use of resources to provide for the needs involved. It is, as Muji’s message states, a matter of minimalism, not as a style, but as a paradigm for a new economy.
Unless we adopt values informed by moderation and self-restraint, the world will find itself at an impasse. All people living today deep down are probably already beginning to consider greater self-restraint as a way of life.

So I was considering these ideas and wondering how they also relate to the field of architecture nowadays. We may still regard architecture as a realm for experimentation and technological innovation. But if we are not applying those values to provide for a rational use of materials and construction processes, aiming for the adequate needs of the users, then, we are failing to install an ethical form of practice. Experimentation is only relevant if guided by rationality. It is not a value in itself.
Via Core77.

Put a sock in it

Graffiti de malha. Muito engraçado. Visitem a página de Magda Sayeg e o seu blogue Knitta Please para mais. Via Begin Being

Knit graffiti. Now that’s funny. Check the website of Magda Sayeg and her blog Knitta Please for more. Via Begin Being

Top 10: The architecture of computer games, reloaded

Heaven forbid The Architect’s Journal from making a serious article about the architecture of computer games. No doubt they would be prohibited from using the architect's secret handshake ever again. Fortunately I'm here to save the day with my own scoop on the 10 greatest architectural achievements in video game history, after the jump. Click to expand. [+/-]

10: Halo.

The original Halo introduced the player to an artificial planet of unknown alien origin, a gigantic space arc with an external living ecosystem and a complex web of underground tunnels. Later games in the Halo franchise would also introduce the setting of New Mombasa, a mega-city located on Mombasa Island in Kenya, the World’s busiest sea port of the 24th century and Earth’s first Space Elevator city.

9: Tomb Raider.

Tomb Raider revolutionized the 3D genre, becoming one of the most successful gaming franchises of all time. From the lost tombs of Qualopec in Peru to the City of Khamoon in Egypt, the original title of the series presented some of the most memorable built environments ever seen in a videogame.

8: The Elder Scrolls IV: Oblivion.

The fantastic province of Cyrodiil is one of the largest virtual environments created for a game, allowing the player to travel freely in over 40 km2 of open landscape and marvel at the extensive views of distant towns and mountain ranges.

7: Mirror’s Edge.

Mirror’s Edge is set in a futuristic dystopian city dominated by a totalitarian regime. It’s gleaming, clean environment is hampered by the presence of invasive surveillance, tracking all forms of electronic communication in order to reduce crime to nearly nonexistent levels.

6: Modern Warfare (Prypiat/Chernobyl).

The city of Prypiat was founded in 1970 to house the Chernobyl Nuclear Power Plant workers. It was abandoned in 1986, following the events of the Chernobyl disaster. The ghost city is portrayed in the game Modern Warfare as a gloomy, dark, lonely and scary place with gray skies and long, unkempt grass.

5: Fallout 3 (Washington D.C.).

Fallout 3 takes place in the year 2277, 200 years after a nuclear war. The game is set in a post-apocalyptic version of Washington D.C., taking the player on a journey through an area known as the Capital Wasteland.

4: Half Life 2 (City 17).

City 17 is a metropolitan area in Eastern Europe that forms the primary setting for Half-Life 2. The city features a variety of architecture types, from mostly Eastern European architecture dating from pre-World War II neoclassicism, to post-war revival of classical designs, Soviet Union modernism, and post-Soviet contemporary designs, as well as alien structures. The city is quite large, consisting of a railway station, a dilapidated canal system, underground road tunnels, and multiple communal living quarters and buildings.

3: GTA IV (Liberty City).

Liberty City is a fictional city portrayed as a generic version of the metropolitan area of New York. The city’s geography and alignment of districts features two major mainlands with a Manhattan-like central island (which contains a large park at the center, a reference to Central Park), and several smaller islands connected primarily by road bridges. Train services with lines running in the city are also present, providing GTA IV with one of the most convincing, living urban environments ever created for a video game.

2: Assassin’s Creed II (Florence, Venice).

Assassin's Creed II takes place in an open world with nonlinear gameplay, allowing the player to roam freely within several regions throughout late 15th century Italy such as Venice, Florence, and the Tuscan countryside. With its focus on real-world locales like The Duomo in Florence or Piazza San Marco in Venice and historical figures like Lorenzo di Medici and Leonardo da Vinci, this game offers an evocative setting filled with visual details that infuse the world with life and elegance.

1. Bioshock (Rapture).

Rapture is a massive underwater city that lies at the bottom of the Atlantic Ocean. Created by a fictional business magnate called Andrew Ryan, it is a utopian metropolis of Art Deco-styled buildings connected by a network of glass tunnels and a Bathysphere system. The city is completely self-sustaining, and all of its electricity, food, water and air purification are powered by the volcanic vents originated from the bottom of the sea. Rapture is intentionally isolated from the world, and the only way to access it seems to be bathyspheres taken down from the lighthouse perched on an island above. Bioshock presents a fantastically speculative world that is both a shining example of science-fiction and a brilliantly drawn architectural world.

Interesting links:
Sightseeing in Liberty City: Liberty City vs. New York City, A photoset showing the similarities between Grand Theft Auto 4 and real life, Flickr.
Game / Space, an interview with Daniel Dociu, BLDGBLOG.
Evil Lair: on the architecture of the enemy in videogame worlds, BLDGBLOG.
Los Angeles: Grand Theft Reality, City of Sound.
Visualizing Geographic Environments: City 17, Digital Urban.
Cities in Games: Chernobyl in Call of Duty 4, Digital Urban.
The Role of Architecture in Video Games, Gamasutra.
Videogames and architecture, Polygon Web.

Fora deste mundo

The Known Universe, American Museum of Natural History. Via Capítulo 0.

The Known Universe takes viewers from the Himalayas through our atmosphere and the inky black of space to the afterglow of the Big Bang. Every star, planet, and quasar seen in the film is possible because of the world's most complete four-dimensional map of the universe, the Digital Universe Atlas that is maintained and updated by astrophysicists at the American Museum of Natural History. The new film, created by the Museum, is part of an exhibition, Visions of the Cosmos: From the Milky Ocean to an Evolving Universe, at the Rubin Museum of Art in Manhattan through May 2010.

The Known Universe é um pequeno filme de 6 minutos que oferece uma viagem aos confins do universo conhecido. Trata-se de um trabalho produzido pelo American Museum of Natural History que integra a exposição Visions of the Cosmos: From the Milky Ocean to an Evolving Universe, presente no Rubin Museum of Art em Nova Iorque até Maio do próximo ano.
Talvez o aspecto mais surpreendente desta breve odisseia seja o facto de grande parte do conhecimento científico que sustenta esta visualização do horizonte cósmico esteja ao nosso alcance há apenas poucas décadas. Poucas gerações da humanidade puderam beneficiar de uma tal concepção do universo e do conhecimento do seu processo de formação, desde a incrível erupção de espaço, matéria e energia que deu origem ao próprio tempo. A beleza desta viagem assombra, acima de tudo, pela percepção de escala quase inacessível que a torna numa experiência no limiar da abstracção. Eis um longo caminho percorrido desde a visão da primeira imagem da Terra vista do espaço, fotografada há pouco mais de sessenta anos, até este filme inacreditável que nos leva aonde nunca poderíamos ter imaginado.

Pequenos sinais na rede

Comecei a escrever este blogue há seis anos. Durante alguns dias do mês de Dezembro de 2003 – fica a revelação nunca antes partilhada – esta página ostentava o título de (tchan tchan) O cão com três patas. Pela simples razão de partilhar parte da minha vida com um cão com três patas, neste preciso momento deitado atrás de mim de barriga cheia junto ao aquecedor.
Ditou o bom senso que rapidamente adoptasse para o blogue o nome mais respeitável de A Barriga de um Arquitecto e assim desse início a uma viagem inesperada. Agora navegando para lá do milhão de visitantes, marca ultrapassada ainda no presente mês, fico a reflectir sobre o percurso que conduziu até aqui.
Alimentei sobre o fazer do blogue, ao longo do tempo, expectativas muito variadas. Da expressão pessoal ao desejo de contribuir para um qualquer debate colectivo, da vontade de aumentar audiência, de mudar tudo, fechar o blogue, começar de novo. Tenho agora sobre tudo isto uma postura bem mais prosaica, tão só se me diverte ainda a experiência.
Verdade seja dita, penso agora que me diverti apenas naquele primeiro ano de 2004. E penso se voltará a existir na rede aquela liberdade de partilhar sem expectativas, sem leitores, lançando sinais na inter-rede em busca de um mágico retorno? De uma miragem.
Os blogues são como as pessoas. Com hesitações e erros. Com a fragilidade do que é e do que um dia deixará de ser. Nada mais do que o presente, escrever um blogue pessoal só faz sentido como se em redor de um pequeno emissor de ondas de rádio. Algures, talvez alguém esteja a escutar. Algures, um único contacto humano. Tudo o mais uma ilusão.
Penso agora que talvez me apeteça começar a escrever aquele outro blogue. Talvez haja ainda espaço para o cão com três patas. Talvez seja ainda possível tocar alguém. Algures…

One day all critics will be supermodels

Kneel, you middlebrow old philistine you!

Pedro Gadanho reflecte sobre a ascensão do middlebrow enquanto sintoma representativo da era digital. A paisagem das redes sociais e dos blogues proporcionou novos palcos, anteriormente inacessíveis, à afirmação de participantes não creditados em domínios específicos do saber. Será no entanto prudente considerar as diferenças entre o culto do amador e uma noção mais vasta de cultura open source, bem como as suas possíveis implicações para um novo paradigma de crítica de arquitectura.

A primeira questão a colocar é se a internet pode ser tida como plataforma para a acreditação daquilo que deve ser considerado como uma forma relevante de prática. A esse respeito poderia dizer-se que o que torna os meios digitais tão eficazes é igualmente aquilo que mais os aflige. Os blogues de maior visibilidade são agregadores de informação, aspirando a oferecer aos seus leitores o mais recente material visual disponível na rede. Quem siga alguns deles com regularidade através de um leitor de feeds cedo se apercebe que bastam apenas alguns minutos até que o último press-release seja revelado, numa competição frenética para ver quem publica primeiro. Dito isto, estes blogues não assumem por missão contribuir para qualquer debate crítico sobre arquitectura.
No outro lado do espectro estão um conjunto muito diversificado de blogues dedicados a fazer isso mesmo. E ainda que muitos deles tenham por retorno uma visibilidade muito inferior, provavelmente alcançam audiências que estão realmente interessadas em ler o que eles têm para dizer, ao invés de se dedicarem simplesmente a percorrer as mais recentes novidades em matéria de deleite visual.
No mundo caótico da informação em rede, o utilizador torna-se no editor e no crítico. É ao leitor que compete estabelecer o seu próprio critério daquilo que é relevante. A subjectividade torna-se a chave, uma vez que ninguém pode ser uma máquina de gravação neutral do fio infinito da informação. E ainda que a subjectividade possa estabelecer um problema de conhecimento, é o filtro pessoal de cada um que nos permite não submergir em observações e detalhes irrelevantes, estabelecendo um sentido daquilo que é efectivamente importante.

O que importa questionar assim não é tanto o papel destas ferramentas digitais enquanto «plataformas destinadas a revelar mais um novo candidato potencial ao estrelato», mas aquilo que os círculos estabelecidos de conhecimento arquitectónico estão a fazer para providenciar formas alternativas de juízo crítico. O verdadeiro drama não é a ascensão do middlebrow mas a decadência do highbrow no tempo da actual inflação académica. Muitas academias – em particular na nossa realidade sul Europeia – tornaram-se veículos a uma cultura de mero acknowledgement intelectual: uma coisa é considerada respeitável pelo simples facto de ser reconhecível segundo os padrões, códigos e linguagens dos seus próprios mentores.
Uma vez que os meios de publicação escrita estão tradicionalmente mais próximos das fontes de conhecimento académico, tornaram-se igualmente promotores de uma visão estrita daquilo que é relevante, com uma abordagem antagonista mas igualmente curta do que agora se cataloga como middlebrow architecture. E assim se encontram vozes estabelecidas da crítica a desprezar Bjarke Ingels ao mesmo tempo que revelam a maior indulgência para com as últimas fantasias de Zaha Hadid. O highbrow desaprova o star-system mas, de igual modo, repercute juízos sobre “o arquitecto” e não sobre a arquitectura. Isto é tão evidente que se torna possível prever aquilo que o establishment tem a dizer sobre qualquer concepção de uma figura instituída. Quando foi a última vez que leram algo original sobre Álvaro Siza, Souto Moura, Paulo Mendes da Rocha, apenas para citar alguns?
Os críticos de elite serão forçados a exibir coragem para ir além do óbvio, se desejarem reclamar a sua importância na nova paisagem saturada da informação. O problema é que, quando se abandonam os trilhos do pensamento convencional, é mais difícil fazer amigos. Pensar fora da caixa vem com um preço que poucos estão dispostos a pagar. E se é esse o caso, então, talvez seja preferível ficar pelos blogues, para o bem e para o mal.

Pedro Gadanho reflects upon the rise of the middlebrow as a representative symptom of the digital age. The digital landscape of social networks and blogs provided new grounds for the ascension of unaccredited participations in the realm of specific, once closed, fields of knowledge. It would be wise, however, to consider the differences between the cult of the amateur and a wider notion of open source culture, and its likely implications to a new paradigm of architectural criticism. [+/-]
One of the first questions to be asked is whether the internet is a platform for accreditation of what is to be considered a relevant form of practice. To that regard, one could say that what makes digital media so effective is also what afflicts it the most. The most successful blogs are aggregators of information, aspiring to provide their readers with the latest eye-candy available. If you follow some of them on your regular feed reader you’ll realize it takes only minutes until the latest press release gets published in a competition to see who’s first. That said, most of these blogs are not really aiming to contribute to a critical debate about architecture.
On the other hand you’ll find many blogs out there trying to do just that. And although most of them have much less visitors, they probably reach an audience that’s actually interested in reading what they have to say, instead of merely browsing through the visual gimmick of the day.
In the chaotic sea of web information, the user becomes the editor and the critic. It’s up to the reader to establish its own criteria of what is relevant. Subjectivity becomes the key, as one cannot be a neutral recording machine of the infinite stream of information. So even though subjectivity establishes a problem of knowledge, it’s our own personal filter that allows one not to sink in irrelevant details and observations, establishing a sense of what is in fact relevant and important.

What needs to be questioned then is not the role of these digital tools as «platforms aiming to reveal yet another potential claim to stardom», but what established circles of architectural knowledge are doing to provide an alternate kind of critical judgement. The real drama is not the ascension of the middlebrow but the fall of the highbrow in our current world of academic inflation. Many academies – particularly in our own southern European scene – have become contributors to a general culture of intellectual acknowledgment: something is considered respectable for the mere fact that it is recognizable within the codes, languages and typologies of its own mentors.
Since traditional printed media has customarily been closer to academic sources of knowledge, they’ve often become supporters to a narrow view of what is relevant, with an antagonistic but just as shallow approach to what is considered middlebrow architecture. And so you’ll find established architecture critics despising Bjarke Ingels as they reveal the utmost indulgence towards the latest whimsies of Zaha Hadid. The highbrow despises the star-system but, just as much, acknowledges the architect over the architecture.
This is so evident that you can pretty much guess what the establishment will say about any design from a reputable figure. When was the last time we read something original about Álvaro Siza, Souto Moura, Paulo Mendes da Rocha, just to name a few?
Highbrow critics will need to muster the bravery to go beyond the obvious if they want to reclaim their significance in the new landscape of information overload. The problem is that once you journey off the beaten track of thinking, chances are you’ll not be making many friends in the establishment. Thinking outside the box comes at a price not many are willing to pay. And if that’s the case, well then, I rather stick with blogs instead.

A Casa da Crise revista

Será justo dizer, numa perspectiva mais assertiva, que o exercício lançado pelo Expresso a Souto Moura tinha tudo para ser um contributo positivo a uma reflexão sobre modelos alternativos de “habitar”. É possível conceber novas tipologias de casa, de custos contidos, sem comprometer a necessidade de prover uma experiência maior da arquitectura e da vida? Era esta, afinal, a essência do desafio a que pretendia responder a Casa da Crise. O resultado é, por isso, tanto mais confrangedor quanto mais se procura revestir de realismo. As palavras não batem com o objecto, resultando do trabalho jornalístico uma mensagem condenada a vender gato por lebre. Porquê?

Em primeiro lugar por um problema de contexto. A especificidade do local fere à nascença a replicabilidade do exercício que se pretende exemplar. A casa de sonho desta família de classe média é afinal uma casa de sonho de Souto Moura enquanto projectista. Fica a sensação de estarmos perante um objecto que materializa uma vontade do arquitecto em se debruçar sobre questões muito particulares: da relação com o rio à implantação difícil, do acesso pelo nível superior à casa que descende ao nível da margem. O encaixe destes factores de projecto nos limites orçamentais do programa resultam numa casa espartilhada a áreas mínimas, em que cada compartimento equivale a um piso.

Segundo problema: densidade e altura são coisas diferentes. Uma casa de quatro pisos produz rácios negativos sobre vários parâmetros. Uma simples análise comparativa com uma tipologia compacta de dois pisos permite ver que a Casa no Rio Mau motiva um aumento de superfície de fachada de 30%. Mesmo considerando a área de cobertura, esse aumento é ainda assim de 15%. Pior, a área gasta em acessos verticais (escada e área de circulação imediatamente contígua) é quatro vezes superior, resultando num decréscimo de área de 17% (áreas brutas; se o termo de comparação fosse área útil, a percentagem seria ainda maior). Na prática, estamos perante ao equivalente a mais um quarto ou a uma sala com o dobro do tamanho.

Análise comparativa da Casa da Crise e de uma tipologia de referência com dois pisos.

Estes dados têm como consequência um inevitável aumento orçamental, ou seja, a perda de verbas para investir na qualificação daquilo que importa: os espaços e as funções que lhe devem estar presentes. De resto é difícil acreditar nos dados apresentados no projecto, com custos estruturais arredondados de €26.450 (betão) e €30.500 (térmicos? – presumo destinados a tratamento de fachadas e isolamento de cobertura). Principalmente perante um objecto com paramentos em betão e 5 lanços de escada maciça – veja-se o projecto com atenção.

A grande questão, porém, não se coloca ao nível das deficiências da peça em si. O que é questionável é o modo como perante este desafio se nos apresenta uma habitação tipologicamente ultra-convencional. Se entendermos que uma casa se resume a uma sala de estar, apoio de cozinha, quartos e instalações sanitárias, pois bem. É uma casa. Fora disso, nada mais há senão um formalismo reconhecível e a interminável vista de rio. Fica o desalento de estarmos perante uma oportunidade perdida para comunicar com o grande público modos diferentes de habitar e de viver a casa e a família. De pensar economia de desenho, racionalidade na aplicação dos meios materiais, obtendo mais qualidade com menos material de luxo e, em contrapartida, mais design – ou seja, mais funções de espaço, mais oportunidades para o convívio, para a interacção, para a vida. Desafios que não são respondidos com uma tipologia T3 dos anos setenta, apenas porque se nos é revelada como um harmónio de quatro pisos.

Se o exercício da Casa da Crise do Expresso resulta, em si mesmo, pouco consequente, não deixa de ser um fracasso enquanto oportunidade de sensibilização do público para os méritos da arquitectura. É pena.

FAR frohn&rojas: Wall House.

Kraus Schonberg: House W.

Moomoo Architects: I House.

Bevk Perovic: House R.

O pombal do Rio Mau

Souto Moura visivelmente entusiasmado com o desafio lançado pelo Semanário Expresso para desenhar uma Casa para a Crise. O seu entusiasmo é contagiante.

Ver: Souto Moura projecta casa barata encomendada pelo Expresso (vídeo); Como Souto Moura projectou a casa para a crise (imagens).

«Na curva do rio desagua o sonho.» Com estas palavras começa o texto de Valdemar Cruz onde se apresenta a Casa da Crise, resultado do desafio estimulante do Expresso lançado ao arquitecto Souto Moura. O artigo é comovente e a casa também, a ponto de eu próprio ter ido às lágrimas.
O programa de projecto, definido pelo próprio semanário, estabelece como destinatários «um casal da classe média, ele professor, ela técnica de informática, com dois filhos, um rapaz de 8 anos e uma rapariga de 10 anos», auferindo um rendimento anual de €39.200 – o que me deixou já a ponderar a hipótese de ir eu também dar aulas para o Porto e montar computadores nas horas vagas. Gente do povo, pois então, como se pode aferir pelo Audi A3 estacionado na planta de cobertura. O casal, que doravante denominaremos como os Gomes (assim nos indica o artigo), são gente simples mas esclarecida. Em vez de comprar um apartamento anónimo nos subúrbios, os Gomes ficaram entusiasmados com a leitura do guia Trabalhar com um Arquitecto e assim decidiram recorrer aos serviços de um técnico devidamente avalizado para a tarefa. Souto Moura reservou para eles um singelo quadriplex junto às margens do Douro, para deleite da vizinhança.

Para captar a vista da sala de estar o fotógrafo muniu-se de uma grande angular e sentou-se dentro do lava-loiças. O quadro de Picasso foi gentilmente cedido pelo Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia.

Alguns – não eu, entenda-se – poderão dizer que o problema da casa da crise de Souto Moura é ser uma casa de Souto Moura. Maldosos. Trata-se afinal de uma casa muito para além da crise económica, antes destinada a uma verdadeira crise de espírito. Os Gomes passam a beneficiar de uma bela sala com kitchenette, embelezada por uma gloriosa vista de rio que só é disputada pelo garboso flat-screen que adorna a parede contígua. Nos pisos inferiores, respectivamente o -2, -3 e -4, ficam os quartos, cada um servido por instalação sanitária. No vídeo, o jovem arquitecto Sérgio Koch explica-nos que também aí os residentes poderão usufruir das janelas voltadas a poente, voltando a poder olhar o rio no percurso que dista entre a loiça sanitária e o lava-mãos.
A habitação está dotada de um poço preparado para a instalação de um elevador, cumprindo assim com os requisitos do disposto no Decreto-Lei n.º 163/2006 de 8 de Agosto, e que também se pode vir a revelar muito útil não vá alguém lembrar-se de tropeçar por aquelas escadas abaixo. Entretanto, enquanto o infortúnio não acontece, a Dona Joana Gomes poderá montar um cesto com corda e fazer descer a roupa suja até ao piso inferior, acedendo ao estendal situado no logradouro.
É sempre salutar ver os arquitectos imbuídos deste espírito de serviço público, ajudando gente bem real como o Alfredo e a Joana. Já aos filhos não lhes auguro nada de bom. Chegados à adolescência, o pequeno Adriano irá refugiar-se no seu quarto jogando sessões intermináveis de Counter-Strike, enquanto a frágil Matilde fugirá com o filho do vizinho para França onde poderá auferir um rendimento superior ao dos pais com a experiência adquirida a lavar escadas lá em casa. Se antes disso não se lançar ao rio.

João Pina, fotógrafo

Image credits: João Pina.

A edição online do jornal The Observer dá a conhecer uma reportagem fotográfica de João Pina, intitulada The gangs of Rio. Um retrato da violência na capital mundial do crime, são imagens que registam a realidade cruel do tráfico de droga e da corrupção.
Vale a pena descobrir o trabalho deste fotógrafo português no seu sítio web oficial, com destaque para o registo da não-vida de Roberto Saviano. O escritor italiano de 29 anos vive uma existência enclausurada de protecção policial desde a publicação do aclamado livro “Gomorra”, onde expõe a prática e a identidade dos patronos da máfia napolitana. Um artigo recente no blogue A456 revela mais pormenores da obra transposta para filme por Matteo Garrone, olhando em detalhe para o bairro Vele di Scampia onde decorre grande parte da acção. Diferentes olhares sobre mundos condenados entre o crime e a pobreza.

O regresso de James Cameron

Naquele tempo ia com regularidade ao cinema. Adorava ver filmes em data de estreia. Era às sextas-feiras, lembram-se? E assim foi que me encontrei no lobby olhando o cartaz do dia, sem saber ainda o que ia ver. Em estreia: Titanic.
Não sabia nada sobre o filme – garanto que isto é a mais pura das verdades. O fim-de-semana seguinte seria invadido por publicidade, na televisão e nos jornais, à grande super-produção da época. Mas ali, naquela sexta-feira, ignorante a tudo, ocorria-me apenas que não me apetecia ver a muito batida história da maior tragédia náutica de todos os tempos. Apenas a falta de opções me conduziu à cadeira daquela sala de cinema onde se projectaram, passados os primeiros planos, as grandes letras do nome do realizador: James Cameron.

James Cameron? O homem do Exterminador Implacável (título bem mais sugestivo em Português) e de Aliens? A que propósito estaria o seu nome aqui. E assim foi que pude ver Titanic com os olhos limpos de qualquer preconceito, distraído até à ribombante música de Celine Dion que haveria de encher os ouvidos dos tops durante os meses que se seguiriam.
De Titanic – sei que não devia escrever estas coisas - guardo um sentimento de fascínio e surpresa. Pois que muito estafadas produções televisivas sempre caracterizaram a história, desde os créditos iniciais, de grande carga de tragédia iminente, como querendo dizer aos espectadores que “toda esta gente vai morrer”. No Titanic de James Cameron nada disto existe, antes o mesmo maravilhamento de embarcar numa viagem na mais gloriosa invenção humana que nem Deus haveria de afundar.

Mais de dez anos passaram e, desde então, Cameron nunca mais realizou uma longa-metragem. Regressa agora com Avatar, um antigo projecto em tempos considerado como um dos melhores filmes nunca feitos. Uma produção impossível, dizia-se.
As primeiras imagens revelam a razão para tal. Esta viagem a um mundo distante, um planeta fervilhante de vida, é uma odisseia às nossas próprias origens numa Terra longínqua. Um lugar onde os humanos são, afinal, alienígenas. Estranhos vindos do céu, um povo de sangue saqueando o que não é seu em nome do progresso, um caminho construído sobre a doença e a morte. Desta fábula resta-nos, por agora, o deslumbramento das primeiras imagens na página oficial de Avatar, bem como a recente entrevista de James Cameron na CNN com revelações sobre a produção desta fábula fantástica. Enquanto esperamos por mais um mágico dia de estreia.

Trienal de Arquitectura de Lisboa 2010

O site da Trienal de Arquitectura 2010 já está online. Destaque para a secção de concursos com o lançamento recente do Projecto Expositivo no Museu da Electricidade, cujo procedimento irá decorrer até ao dia 21 de Dezembro.
A segunda edição da Trienal será composta por um conjunto de exposições, dois ciclos de conferências e o lançamento de diversas publicações específicas, para além de actividades educativas envolvendo as comunidades escolar e académica e outras acções paralelas. Irá desenvolver-se em colaboração com várias instituições da cidade de Lisboa, cada uma acolhendo e co-produzindo um sector com uma envolvente temática comum, estimando-se que venham a ser envolvidas cerca de 1500 pessoas na sua concepção e produção, bem como nos concursos nela integrados. Todas as novidades e informações serão dadas a conhecer na respectiva página web e na comunicação social durante os próximos meses.

Directório de arquitectos portugueses

A lista de páginas web de arquitectos portugueses está de volta à barra lateral, agora em formato de menu expansível – é preciso clicar para abrir. Fica a informação e o pedido de feedback caso se deparem com algum problema técnico.
Todos os arquitectos que desejem adicionar o seu site ao directório do blogue devem enviar um email para abarrigadeumarquitecto@gmail.com. Caso já o tenham feito no passado e não tenham sido inseridos na lista, peço que me façam chegar novo email a informar do sucedido e ainda que aceitem o meu pedido de desculpas. Obrigado a todos.

Parques infantis: o mau contributo da ASAE

O encerramento de 80 parques infantis no Concelho de Oeiras é apenas um primeiro exemplo de muitos que se seguirão em resultado da nova legislação dos espaços de jogo e recreio. A aprovação do Decreto-Lei n.º 119/2009 motivou um pedido de suspensão por parte da APSI – Associação para a Promoção da Segurança Infantil, que considera a nova lei desajustada à luz da experiência e conhecimento adquiridos na última década e das novas directivas europeias publicadas em 2008. Em causa estão vários aspectos técnicos importantes como a introdução de requisitos supérfluos na prevenção de acidentes, confundindo questões fundamentais em termos de risco real para as crianças com outras irrelevantes ou mesmo prejudiciais se aplicadas de forma generalizada e sem critério.

Ler: Nova Lei dos Espaços de Jogo e Recreio / Porque a APSI pede a sua suspensão – Perguntas e Respostas (formato PDF).

Aprovado em 1997, o Decreto-Lei n.º 379/97 veio trazer pela primeira vez um conjunto de regras de segurança a observar na implementação dos espaços de recreio infantil. Esta legislação, então inovadora, enfrentava um quadro de abandono e negligência em grande parte dos parques infantis existentes no território nacional. Pese embora a persistência de exemplos de manutenção insuficiente ou erros pontuais de concepção, passada uma década todos terão de reconhecer a evolução muito positiva que se verificou em tão curto espaço de tempo. Tal traduziu-se, na prática, na remodelação generalizada dos parques infantis e substituição e renovação dos seus equipamentos, e resultou do trabalho muito meritório de sensibilização de projectistas e técnicos das autarquias locais desenvolvido tanto pela APSI como pelo IDP – Instituto do Desporto de Portugal, a favor da divulgação de regras e boas-práticas de intervenção.

Ler: Espaços de Jogo e Recreio / Estudo sobre a aplicação da legislação (formato PDF).

A transferência das atribuições em matéria de fiscalização para a ASAE, resultante do novo quadro legal, é em parte justificada pela natureza específica do trabalho de inspecção cuja concretização à escala nacional se revelava uma tarefa difícil para o IDP. No entanto, suportada por uma nova legislação que introduz requisitos irrelevantes e por vezes impraticáveis, a ASAE vem diligentemente encetando a sua tarefa aplicando coimas às autarquias que chegam a atingir dezenas de milhares de euros. Estão em causa situações sem influência significativa na segurança. Eis alguns exemplos: ausência de placas informativas relativas a lotação em espaços exteriores de acesso livre; indicação de idade e altura (mínima e máxima) das crianças em todos os equipamentos (mesmo em muitos casos em que tal não é um factor de risco); existência de vedações de delimitação de espaço (agora obrigatórias em todos os parques infantis, medida por vezes impraticável e que pode constituir um factor acrescido de risco); etc.

O que está em causa com esta nova legislação, agravada pela prática seguida pela ASAE, é a ausência de uma abordagem fundada no conhecimento técnico, nas boas-práticas e na capacidade de avaliação do risco de forma discricionária – e inteligente, porque cada caso é um caso. Como refere a APSI: «Esta alteração à lei vem obrigar as entidades responsáveis pela gestão dos espaços de jogo e recreio, nomeadamente as autarquias, estabelecimentos de ensino, empreendimentos turísticos e outros, a custos desnecessários e desproporcionados em relação aos perigos a que eventualmente as crianças estariam expostas e, portanto, sem impacto comprovado na prevenção de acidentes. A imposição destas despesas sem fundamento tem a agravante de criar o risco de diminuição da oferta de EJR e de oportunidades para as crianças pelo desincentivo que representam para as entidades responsáveis.»
O exemplo de Oeiras, a que certamente se seguirão outros, atesta as consequências de uma má legislação assente nas mãos de um fiscalizador pouco esclarecido como a ASAE, e o mau serviço que desta forma se presta ao país.

Isenção de IMI nos centros históricos classificados Património Mundial – uma questão nacional

Pode a mesma lei ser aplicada de modo diferente no território nacional? E podem as Finanças ignorar requerimentos e pedidos de informação desrespeitando as normas em vigor e ignorando os cidadãos? Eis o que se parece estar a passar em Évora a propósito do benefício fiscal de isenção de IMI aplicável ao seu centro histórico, em virtude da classificação como Património Cultural da Humanidade pela UNESCO. Um caso local com implicações que se poderão vir a estender a todo o país.

1. O que diz a Lei

Os conjuntos classificados como Património da Humanidade, em que se incluem os centros históricos de Évora, Porto e Guimarães, bem como a Paisagem Cultural de Sintra, estão reconhecidos como de Interesse Nacional pela Lei de Bases para a Protecção e Valorização do Património Cultural (Lei n.º 107/2001), passando a receber a designação de Monumento Nacional (Art.º 15.º, n.º3).
O Estatuto dos Benefícios Fiscais refere que «estão isentos de imposto municipal sobre imóveis: os prédios classificados como monumentos nacionais e os prédios individualmente classificados como de interesse público ou de interesse municipal, nos termos da legislação aplicável». Resulta assim que os prédios situados nestes centros históricos beneficiam de uma isenção de IMI, obtida mediante apresentação de um requerimento nas Finanças acompanhado de uma declaração emitida pelo IGESPAR. É este o procedimento que tem vigorado em todos estes centros históricos, situação que se estende ao caso da Vila de Óbidos classificada Monumento Nacional em 2007.

Aplicação prática da Lei do Património em conjugação com o Estatuto dos Benefícios Fiscais. Clique para ampliar.

2. Razões de uma isenção

A classificação de Património Mundial acarreta para os imóveis inseridos nestes centros históricos um conjunto de restrições regulamentares que têm por objectivo preservar as suas características particulares, como salvaguarda do interesse patrimonial que lhes está reconhecido. A isenção de IMI constitui uma forma de incentivo directo no sentido de promover a captação e fixação de novos habitantes em áreas por vezes sujeitas ao envelhecimento e abandono gradual de população.
É também este o caso do centro histórico de Évora que vem assistindo à deslocação populacional para bairros periféricos, fugindo às limitações e aos custos acrescidos que acarreta a vida num parque edificado antigo e pouco adaptado às exigências da sociedade contemporânea. Importa sublinhar o papel positivo que desempenham os residentes destes centros históricos que constituem uma mais-valia para as suas cidades, contribuindo para a recuperação do parque edificado que é um dos seus principais “valores simbólicos” e motivo de promoção económica, cultural e turística. São também uma mais-valia para o comércio local bem como um garante de segurança da vida pública, contrariando o abandono de que podem resultar fenómenos de isolamento, insegurança e vandalismo.

3. O caso de Évora

Foi com surpresa que os munícipes de Évora foram confrontados com a intenção de anular um benefício fiscal que estava a ter um impacto ténue mas positivo no sentido de atrair novos moradores. Uma situação tanto mais surpreendente quanto se observa que teve como principal mobilizador o próprio Presidente da Autarquia, que promoveu junto dos serviços de Finanças o acolhimento de uma interpretação da legislação segundo a qual apenas os imóveis individualmente classificados como Monumento Nacional deveriam beneficiar dessa isenção fiscal (ver imagem acima).
Declarações do Presidente da Câmara publicadas no jornal local Diário do Sul, em edição de 29 de Maio, davam conta de uma tomada de posição das Finanças segundo a qual deixaria de ser concedida isenção do IMI a todos os imóveis e que os proprietários beneficiados com a isenção seriam obrigados a pagar retroactivamente os impostos a que haviam sido isentados em anos anteriores.
Perante estas ameaças, um conjunto de munícipes resolveu criar um movimento de cidadãos determinado a fazer prevalecer a correcta aplicação da legislação, à semelhança do que ocorre nos restantes centros classificados Património Mundial. Este movimento divulgou as suas posições através dos meios de comunicação local, lançou uma petição pública (online e porta-a-porta) que obteve o apoio de largas centenas de habitantes da cidade e tem vindo a desenvolver contactos junto dos órgãos do município e dos deputados da Assembleia da República.

4. Uma questão nacional

Os serviços de Finanças de Évora têm vindo a assumir uma posição expectante, não dando despacho aos requerimentos de reconhecimento da isenção do IMI que se foram acumulando sem resposta durante todo o ano. Perante as reacções da opinião pública as Finanças locais não concretizaram ainda a ameaça de supressão da isenção e pagamento retroactivo por parte dos contribuintes que foram reconhecidos como isentos no passado. Não obstante, face a pedidos de informação sobre o andamento dos processos formulados pelos contribuintes ao abrigo da Lei Geral Tributária, e aos quais os serviços devem resposta no prazo de 10 dias, as Finanças não respondem em manifesto incumprimento da lei. Fazem saber por vias informais que o caso será objecto de uma decisão do Director Geral de Contribuições e Impostos, aguardando pela supressão da isenção de IMI cujos efeitos se deverão estender a todos os Centros Históricos Património da Humanidade em território nacional.
A verificar-se este desfecho estaremos perante um caso em que as Finanças se assumem como agente clarificador da Lei, ao arrepio das atribuições próprias da Assembleia da República. O caso é ainda mais grave ao observar que as Finanças acabam por actuar em causa própria, assumindo interpretações muito questionáveis da legislação e anulando as suas próprias deliberações passadas, em prejuízo dos contribuintes. Eis um caso em aberto que deverá merecer a atenção das comunidades locais, não apenas de Évora, mas também do Porto, Guimarães, Sintra e Óbidos, na defesa dos seus direitos e dos lugares onde vivem, bens edificados indissociáveis da memória colectiva e histórica do país, e referências patrimoniais em Portugal e no mundo.


Carl Sagan, cientista, astrónomo, professor, escritor, cantor. Cantor? Assim parece, a julgar por este êxito musical da internet em que faz parceria com... Stephen Hawking? Trata-se, afinal, de uma composição póstuma destinada a fazer titilar o coração dos geeks de todo o mundo em dia de celebração dos 75 anos do aniversário do autor de Cosmos. Os mais saudosistas devem igualmente gostar de rever a introdução da mítica série de televisão. Via Sound + Vision.

Carl Sagan, scientist, astronomer, teacher, author, singer. Singer? That’s what it looks like, judging from this musical hit that also features Stephen Hawking. Don’t worry, though. It’s only an homage aimed at the hearts of Cosmos-loving geeks everywhere, in celebration of the beloved master’s 75th birthday.

Voz de Cassandra

A partir do momento em que começamos a ler as páginas de economia dos jornais já não há volta a dar. Cheguei a essa fase da vida e, acreditem, é um elevador que só segue para baixo. Fiquem-se pelos manuais de ascensão rápida rumo a esse direito humano inalienável que é a felicidade, repletos de energias, auras e bonecas de vudu. Acontece que eu não tenho juízo e passei há muito o ponto de não retorno em matéria de imprensa económica. Foi assim, imbuído deste espírito, que resolvi animar ainda mais as coisas mergulhando de cabeça no Portugal, Que Futuro? do Medina Carreira. Trata-se da sequela - um follow-up - de outra obra do melhor terror nacional, O Dever da Verdade, lamentavelmente inspirado em factos reais.

A verdade, “agora falando sério”, é que o Henrique Medina Carreira, actualmente com 78 anos, é um dos mais lúcidos pensadores do Portugal contemporâneo. Não é o profeta da desgraça do regime nem tão pouco uma figura anedótica que “diz umas verdades na televisão”. É, talvez, o último patriota de uma ditadura das meias-tintas.
Para entender Medina Carreira convém lê-lo. O Dever da Verdade é um bom ponto de partida, em especial pelo ensaio que preenche a primeira metade do livro e resume o seu pensamento sobre a nossa circunstância económica. Ali se encontra um olhar abrangente de quem lê a História para lá dos estreitos horizontes da actualidade mediática. Um olhar que se sustenta em factos e números, em análise comparativa do nosso presente, do nosso passado, e na prospectiva de um futuro inevitável.

O seu livro mais recente aprofunda a reflexão que ali se havia iniciado, agora à luz das consequências que a crise financeira internacional trará para a nossa economia. Os alertas que vem fazendo, a pouco e pouco, parecem tornar-se realidade. Ainda esta semana chegam notícias das previsões da Comissão Europeia para o défice orçamental português que deverá chegar a 8% já no presente ano e subir em 2011. Também a despesa pública irá atingir valores superiores a 50% do Produto Interno Bruto. Perante estes dados, o FMI alerta para a necessidade de um novo esforço de contenção orçamental e estima que a dívida pública possa chegar aos 80% do PIB em 2010, subindo acima dos 90% no ano seguinte.

Pesem embora as justificações do Ministro das Finanças, o que estes dados nos dizem é que o cerco económico está lançado para a próxima década. A retoma da economia internacional trará factores mais agravantes para Portugal como o aumento de taxas de juro e a pressão de custos sobre os combustíveis, dificilmente rebatíveis por um motor produtivo que assiste à deslocalização e falência de empresas, fraca atractividade, perda de capacidade exportadora, aumento de desemprego.
Perante isto o novo Governo retoma uma agenda de obras públicas, de urgência e actualidade incompreensíveis. Portugal parece tornar-se, irreversivelmente, num país entregue a interesses sectoriais de forte influência política que vão dirimindo o acesso ao poder e a canalização dos dinheiros públicos. Um país com uma economia de cartas marcadas, jogadas por “empresas” que só o ridículo poderá hoje rotular de “estratégicas”, nos transportes, na energia, nas telecomunicações, na saúde, em todos os sectores de interesse do Estado.
Apenas uma fé inabalável na irrelevância dos défices pode sustentar o ciclo de obras públicas que agora se anuncia. Um tal ciclo, ainda que suportado por maior endividamento externo, terá expressão visível nos índices económicos e, temporariamente, no emprego. Importa no entanto perguntar a que preço para o futuro? Se não formos capazes de promover actividades exportadoras, em investir na educação para lá do betão, em preencher nichos de inovação e tecnologia, o que restará por fim? Uma nação entregue à precariedade, à incerteza e, porque não dizê-lo, à pobreza. Um cenário que não será evitado com retórica ou exuberância irracional, seja qual for o governo. O nosso futuro aí está para o comprovar e o caminho parece cada vez mais estreito. Como uma lâmina.

Arquitectos na rede

Entre alguns ajustes discretos que fui fazendo na aparência do blogue pendeu sobre mim uma decisão difícil. Resolvi reduzir ao mínimo a barra lateral, demasiado extensa, deixando apenas a lista de blogues favoritos – hoje uma pequena fracção de todos aqueles que sigo através do google reader. O dilema maior resultou em retirar, ou não, o directório de ateliers portugueses. A esse respeito tenho recebido alguns emails interrogando as razões por detrás dessa decisão. É uma questão que me tem feito reflectir, pelo que deixo as minhas ideias em aberto.
Quando comecei a escrever o blogue não existiam directórios de páginas web de arquitectos portugueses. Foi um bom motivo para iniciar uma compilação do que ia surgindo na rede. Tratava-se de uma listagem sem qualquer edição qualitativa. O reduzido número de sites disponíveis tornava-o justificável. Por outro lado, o relativo desprezo que nomes mais sonantes da arquitectura dedicavam à internet era compensado pela energia de arquitectos mais jovens que iam abrindo, a pouco e pouco, páginas graficamente criativas e ricas em conteúdos.
Com o tempo, e porque na rede tudo tende a crescer exponencialmente, foi-se tornando difícil para mim gerir a validade do directório. Os conteúdos das páginas alteram-se, algumas perdem actualidade, outras deixam mesmo de funcionar. Acresce ainda que existem hoje portais específicos para esse fim, dos quais tenho vindo a destacar o portal Portuguese Architects, da conceituada rede world-architects.com, com edição específica, actualizações constantes e divulgação regular para um grande universo de assinantes.
Venho assim questionando as razões para manter o directório do blogue, tal como existia. Justifica-se uma listagem aberta a todos, no que isso possa ter de bom e de mau? Ou deverá, a existir, ter critérios de edição? Eis o pequeno dilema. Nada de grave, nada de irreversível, mas que me merece alguma ponderação porque este é, afinal, um blogue pessoal, não institucional, e não tem pretensão a tornar-se um portal da profissão. Talvez esteja aí uma parte da resposta. Um directório não representativo, de subjectividade inevitável, mas único, à sua maneira.
Lá vou eu, outra vez, para debaixo do capot do blogue.


Nada pior do que os desabafos de um blogger que disserta sobre a ausência de posts. Dizem as regras que a solução é seguir em frente e recomeçar, simplesmente, a escrever. Era esse o meu plano. Não consigo no entanto deixar de dedicar uma nota breve aos visitantes mais fiéis que vão passando por esta página, sem desistir, na esperança que algo de novo aconteça. Saibam que não me são indiferentes e que o facto de não aparecer por aqui não significa que esteja tão longe assim. A minha página de itens partilhados no Google Reader está sempre em actualização com coisas novas que vou encontrando na rede – e as últimas dez ligações ficam acessíveis na barra lateral, na secção referências. Com a vida um pouco mais organizada espero recomeçar a actividade regular no blogue daqui para a frente. Estou também a tentar pôr em dia a minha caixa de emails, com alguma correspondência por responder com um atraso considerável. Recomecemos, então. Segue-se por agora um conjunto de ligações não processadas que passaram recentemente pelo meu leitor de feeds. Até já.

Destino, um filme de animação que nasceu da colaboração entre Walt Disney e Salvador Dali. Esta curta-metragem, que eu desconhecia, começou a ser produzida em 1945 mas foi terminada e revelada apenas em 2003. Via Kitsune Noir.

Small Life in Saxon Switzerland, um filme de Christoph Schaarschmidt com a vida em ponto pequeno.

Indemann, o colosso de Inden, uma torre de observação com sentido de humor, na Alemanha.

Lembram-se do filme Um Dia de Raiva, com Michael Douglas a dizer Can anybody tell me what's wrong with this picture? Pois aqui têm: Advertising vs Reality. Porque nem tudo é o que parece no mundo da publicidade.

Machinarium, um jogo de aventura algures no futuro distante com um robô simpático e muitos puzzles para resolver. Uma espécie de Wall-E negro da produtora independente Amanita Design. Não percam o trailer. Via It’s Nice That.

Cursor urbano, um ponteiro gigante, móvel, georeferenciado ao Google Maps, algures numa praça na Catalunha. Via Designboom.

Novo trailer de Avatar, o próximo filme de James Cameron. Em tempos considerado como uma produção impossível e um dos melhores filmes nunca feitos, este antigo projecto do mítico realizador de Terminator vai agora ver a luz do dia.

Está prestes a chegar o muito aguardado Assassin’s Creed II. Ah, o maravilhoso deslumbramento da Itália renascentista. A silhueta mítica da cidade de Florença pontuada pela basílica de Santa Maria del Fiore, o célebre Duomo de Brunelleschi. Os misteriosos canais da Veneza labiríntica e as suas quatro centenas de piccoli ponti. A luxuriante província da Toscânia e os seus campos verdejantes. A elevada contagem de polígonos de Lucy Stillman com modelação corporal e voz de Kristen Bell. Ah, as maravilhas de tecnologia.

A Barbie parece estar com uns problemas. Ver para crer.

Um gráfico comparativo com o custo e velocidade da Internet no mundo. Como diria o Michael Douglas: what’s wrong with this Picture?

Exposição Mirrorcities – Visita guiada

Esta sexta-feira, dia 23 de Outubro a partir das 18:30, irá realizar-se uma visita guiada à exposição ///mirrorcities/// por uma das autoras, Sara Lopes Godinho (autora das imagens de Tóquio).
Todas as sextas-feiras o Museu do Oriente fica aberto até mais tarde (22h) e a entrada é gratuita. A exposição ///mirrorcities/// continuará a poder ser visitada até dia 1 de Novembro (de terça a domingo 10h-18h). [via email]

This post is not available in English.

Joshua Prince-Ramus - What if?

Diagrams, diagrams. Don’t you just love diagrams?

Joshua Prince-Ramus, o homem à frente do super-estúdio REX, responde a perguntas no Designboom em época de inauguração do Dee and Charles Wyly Theatre. A entrevista estende-se do domínio pessoal ao profissional, percorrendo a ascensão na fábrica de talentos de Koolhaas e o culminar na criação do atelier nova-iorquino durante a intensa produção da Seattle Public Library.
Joshua refere a influência da OMA enquanto fundação dos métodos de trabalho desenvolvidos pela REX. Trata-se de encarar a arquitectura como muito mais do que um processo autoral sobre formas e volumes mas enquanto modo de questionar e repensar os programas funcionais que lhe estão na origem. O processo, que o próprio define como hiper-racional, passa por integrar constrangimentos e limites de projecto como essência do design, em busca de soluções que transcendem a convenção e a norma. O novo Wyly Theatre é disso um bom exemplo que Prince-Ramus havia já apresentado em fase de projecto na sua conferência no TED Talks em 2006. Entre todo o material disponível na web vale a pena ver um pequeno vídeo documental sobre a concepção da fachada do edifício, uma superfície de aparência corrugada composta por tubos de alumínio de dimensão variável; ver The Wyly goes tubular. Das grandes às pequenas soluções, a arquitectura da REX vem sublinhando uma preocupação de economia de desenho sem preconceitos materiais, assumindo infra-estruturas e interfaces como parte integrante da formalização final. Detalhes de construção e mais alguns diagramas para ver no ArchDaily.

Joshua Prince-Ramus, principal in charge at REX, is interviewed by Designboom just as the Dee and Charles Wyly Theatre is about to open in Dallas. The interview extends both into the personal and professional areas of his life, covering the ascension at the Koolhaas talent factory and the culmination with his own practice in New York during the intense production of the Seattle Public Library. [+/-]

REX / OMA: Dee and Charles Wyly Theatre, Dallas, USA, 2006-2009. Image credits: Iwaan Baan.

Joshua refers the influence of OMA as the foundation to the design methodology developed by REX. Defying the very notion of authorship, architecture is faced as a process that transcends the definition of form and volume, embracing creative diagramming to rethink preconceived notions of building typology. The new Wyly Theatre is another example of this hyper-rational approach; and one that Prince-Ramus had already revealed during his conference at TED Talks in 2006. Also of interest is an additional video documenting the construction of the building’s façade, a corrugated surface created by a series of aluminium tubes: The Wyly goes tubular. Construction details and some additional diagrams are also available in ArchDaily.

Coisas que verdadeiramente interessam

Eu já andava a suspeitar que os portugueses – a começar por mim – andavam a ficar pírulas. Mas esta história do vídeo da Maitê Proença está mesmo a descarrilar. Parece que não estão a ver a pequena, pequenina diferença entre uma pessoa dizer mal de um país e um país dizer mal de uma pessoa. Já o dizia nos tempos da má-língua o Miguel Esteves Cardoso a propósito, vá-se lá entender estas coisas, de outra actriz brasileira que caiu na asneira de pisar os calos desta nação sensível. De resto, aquilo nem chega a ser dizer mal; e dizer mal de Portugal, bem o sabemos, é o nosso passatempo do coração.
Entretanto lá vai circulando uma petição com milhares de assinantes a vociferar contra a MP - quase tantos como os da petição pela segunda temporada do Rebelde Way. Suspeito, aliás, que são os mesmos. Seja como for importa aqui denunciar, a bem dos intentos de serviço público que regem este blogue, a verdade sobre tudo isto. Esta novela em torno da Maitê Proença é uma maquinação dos "mídia" para nos distrair quanto à verdadeira questão que devia preocupar os portugueses: o anunciado dueto de Luís Represas com José Cid.

Actualização: importa ainda dissecar a reacção à reacção à reacção ao vídeo da Maitê Proença. Parece que não nos falta sentido de humor, tão só o sentido do ridículo. Bocejo...

This post is not available in English.

Do the revolution

Alguém devia informar o Bjarke Ingels que, como arquitecto, ninguém é suposto ser tão bem parecido e brilhante ao mesmo tempo. Os arquitectos brilhantes são carecas e usam óculos de massa. Seja como for, tive a sorte de escutar uma das suas apresentações há alguns anos e identifiquei-me bastante com as suas críticas à retórica pré-concebida da avant-garde arquitectónica. Essas mesmas ideias estão na base da sua recente conferência no TED, seguindo-se a exposição de várias obras do estúdio BIG; desde os projectos média escala das VM Houses e o edifício Mountain Dwellings em Copenhaga (ambos em colaboração com Julien de Smedt), à criação mais recente do Zira Island Masterplan.
Bjarke oferece um olhar sobre os processos criativos diagramáticos que se tornaram uma assinatura dos arquitectos da geração Rem, como Winy Maas e Joshua Prince-Ramus - este último, aliás, também teve uma excelente participação no TED há já alguns anos.

Someone should have warned Bjarke Ingels that, as an architect, no one is supposed to be that good looking and brilliant the same time. Brilliant architects are required to be bald and wear large spectacles. [+/-]
Seriously, though, I was fortunate to listen to him a couple of years ago and his ideas on the pre-conceived rhetoric of the architectural avant-garde sure made a lot of sense to me. Those same notions are introductory to his conference at TED, following a presentation of several high profile projects from BIG, from the mid-scale VM Houses and Mountain Dwellings in Copenhagen (both done in collaboration with Julien de Smedt), to his latest large-scale creation of the Zira Island Masterplan.
Bjarke offers an insightful glimpse of the creative diagramming processes that have become a signature method of the architects of the Rem generation, such as Winy Maas and Joshua Prince-Ramus - the latest of which, by the way, also had a fabulous presentation on TED a few years ago.

A arquitectura, às vezes, também me chateia

A sério. Eu não quero ter mau feitio. Mas a arquitectura, às vezes, também me chateia. É que parece que vivo no país dos Mister Glasses. Acho que os meus colegas arquitectos pensam que somos todos parvos. Parece que é coisa da arquitectura contemporânea, aquela com “linhas modernas”, genuína da Bayer. Vocês sabem. As caixas brancas suspensas no ar. Eu cá não sei, mas parece que imaginamos o povo como uma cambada de tolinhos a “extasiar” perante as paredes brancas. Paredes não, paramentos, que é mais poético. Eis, então, tudo a extasiar perante os volumes hirtos no horizonte. Coisa linda. E depois aquelas rampas, é sempre importante meter umas rampas o mais compridas possível. Não interessa de onde vêm e para onde vão. É importante é estarem lá, a fazer rima na poesia. Como a arquitectura, não precisam de ir a lado nenhum. E que dizer daqueles espaços exteriores, ermos de terra batida. É que agora até está na moda meter uns animais nos renders, é um trend, sabem? Mas, nestes projectos, nem as vacas lá podem pastar. Fico sempre sem saber se faltou o dinheiro ou faltou a inteligência. Quer-me parecer que faltou o primeiro por falta da segunda.
É que me dá cá umas comichões nos neurónios que fico a pensar que prefiro uma boa casa de emigrante. Que diabo. Essa ao menos diz-nos coisas, está cheia de pequenas pérolas de sociologia. Sim, os autores podem ser uns labregos, mas estão vivos, vibraram com aquele azulejo, sonharam com aquela escada saída de uma casa de estrunfe como viram na telenovela. Estão refucilando alegremente na charca da vida. A mim, às vezes, confesso, também me apetece.

This post is not available in English.

Eu nunca quis ser jovem

Eu nunca quis ser jovem. O que queria era ter história. Estas palavras de Lina Bo Bardi são hoje tão contra-corrente que merecem reflexão. O modo como encaramos o acto de envelhecer muda durante o percurso de uma vida inteira. Todos sabemos, em abstracto, que vamos morrer um dia. Mas, enquanto jovens, a abstracção esmaga-lhe o significado. É bom ser imortal.
Recordo-me do tempo em que envelhecer tinha um sentido de desfasamento das coisas. Ficar velho é perder o fio da contemporaneidade, é o caminho para a incompreensão do presente, na linguagem, na música, na moda. Ah, quanta arrogância.
Há um momento na vida em que a morte, por uma conjugação de factos, se torna real. Percebemos que a morte está lá, algures na nossa frente, inevitável. Para alguns a consciência trará temor, angústia. Para todos, talvez, um enorme sentido de perda das coisas, de toda a experiência, todo o saber que se vai perdendo em nossa volta, até que nós próprios nos extingamos, um dia, no vazio do esquecimento dos outros.
Presumo que não seja fácil ser jovem, hoje. Mergulhados num mundo que os envolve em subtilezas, adquirindo comportamentos, costumes, códigos invisíveis. Curioso que a sociedade da televisão produza uma imagem eternamente rebelde dessas criaturas mitológicas, para citar João Lopes, estereotipada à exaustão em mil e uma novelas “para jovens”. Uma estética desalinhada, no penteado, nas calças descaídas, no estilo informal, simulação perfeita de uma irreverência toda ela ficcionada. Quem leia o conteúdo pela superfície tomará essa imagem como digna dos novos hippies, de tão ostensivamente anti-sistema. E no entanto, nos mais pequenos pormenores, se denuncia o afinco de um produto de consumo desenhado em laboratórios de marketing social, fabricando pequenos seres para quem a vida não faz sentido sem os seus iphones e ipods.
Não, não é fácil ser jovem, hoje. Não é fácil resistir aos estrategas dos targets que barricaram o seu trajecto, implacáveis. Não é fácil compreender que nem sempre o que somos e o que pensamos nasceu na nossa cabeça. Que as convicções, os gostos, os desejos, até a formatação dos afectos, nos é incutida por uma profusão de veículos externos afinados para nos seduzir como esponjas.
Sei que estou a ficar velho. Pertenço a uma geração sem causas. A minha geração não tem nada que a defina para além de uns programas de televisão e umas gasosas que deixaram de existir. Não, nós não fizemos nenhuma revolução, não protagonizámos nenhum conflito de gerações, não vislumbrámos nenhum sentido, não erguemos nenhum símbolo, não alvitrámos doutrina em que valesse a pena erguer uma sociedade. Na melhor das hipóteses, mostrámos o rabo a um qualquer ministro por causas fúteis há muito esquecidas de todos.
Somos uns rebeldes na nossa cabeça. Uma coisa apenas nos define. Não gostamos muito uns dos outros. Mal educados para a vida em comunidade, somos complacentes com os nossos defeitos que intoleramos, passe a palavra, em todos os outros. Desengane-se quem tome tal por desatenção ou charme latino. É, tão só, uma tragédia.
Sim. Eu sei que estou a ficar velho.

This post is not available in English.

District 9

O que pensar de um herói tão detestável como este Wikus Van de Merwe, funcionário servil da corporação sem escrúpulos que gere uma colónia de refugiados extraterrestres sitiados nos arredores de Joanesburgo, em District 9? Wikus persiste, em toda a sua pequena humanidade, em nome do mais mesquinho interesse próprio. E, de certo modo, a história deste filme é exactamente sobre esse percurso de descoberta da humanidade no lugar mais cruel do mundo.
Haverá por aqui material bem reconhecível aos cinéfilos mais geeks da plateia, entre exoesqueletos robóticos e armas gravitacionais dignas do senhor Gordon Freeman. Mas D9 revela uma energia que há muito não víamos no sub-género de acção sci-fi, em tempos trilhado pelos jovens James Cameron e Ridley Scott. Esta primeira obra de Neill Blomkamp é a antítese dos encontros imediatos de Steven Spielberg. Um filme de ficção científica para uma década de desagregação total, resgatando entre os escombros um derradeiro gesto capaz de redimir o mais improvável dos heróis do cinema.

This post is not available in English.

Exposição Mirrorcities – Lisboa / Tóquio

Duas cidades distantes retratadas diariamente por duas mulheres. Olhares que partem de um mesmo tema para descobrir analogias e contrastes na realidade quotidiana de Lisboa e Tóquio. Um ensaio fotográfico que começou como blog e que agora se apresenta através da exposição Mirrorcities patente no Museu do Oriente. Fotografias de Sara Lopes Godinho (aka Sushi Lover) e Patrícia Chorão Ramalho, para descobrir até ao dia 1 de Novembro.

Two distant cities portrayed by two women. Images that share a common theme, exploring the similarities and differences concealed in the daily life of Lisbon and Tokyo. A photo essay that began as a blog and is now revealed in an exhibition titled Mirrorcities. Photography by Sara Lopes Godinho (aka Sushi Lover) and Patrícia Chorão Ramalho, on display at the Lounge space of the Oriente Foundation Museum until November 1st.

Fernando Guerra na Colorfoto

Uma exposição organizada por Mário Venda Nova, autor do blog de fotografia O Elogio da Sombra (que há muito faz parte dos meus favoritos), dá a conhecer um trabalho de Fernando Guerra. É uma oportunidade para descobrir uma das suas reportagens mais pessoais, fora do campo estrito da arquitectura, oferecendo um registo da vida dos Trabalhadores na Praia do Calhau em São Vicente, Cabo Verde.
A exposição está patente na Galeria Colorfoto e faz-se acompanhar do lançamento do livro Entre Reportagens, para o qual tive o prazer de contribuir com um breve texto.
Para ver até 17 de Outubro, na Rua Sá da Bandeira, 526, no Porto.

Cape Verde workers collecting basalt for use in local constructions – photography by Fernando Guerra on display in Oporto at Galeria Colorfoto, until October 17th. Exhibition catalogue available online - Entre Reportagens.


Imagino agora o que ela terá pensado, por detrás daqueles olhos verdes, ao ver-me invadir o território sagrado da sua vida partilhada com aquela que por certo tinha como sua única companheira. Quem será este? Com que intenções se apodera do nosso lugar, do nosso tempo de aconchego, quando a noite cai e o mundo pertence apenas a nós duas?
Dediquei à pequena Cinza o mesmo desprezo que ela me dirigia. Não por desgosto ou falta de afeição. Pelo contrário, porque nestas coisas dos gatos devemos sempre respeitar os seus tempos e os seus espaços.

Passaram por certo duas semanas. Pensei que estaria para mim perdida aquela gata que a tantas doçuras se entregava pela mulher com quem um dia eu haveria de casar. E estava eu sentado, rodeado sei lá que afazeres, quando ela chegou por cima de tudo como quem atravessa o mundo. Assim me dedicou o seu primeiro beijo áspero, delicioso como se nada fosse, a maravilhosa Cinza.

Sabe quem alguma vez conviveu com gatos ou cães que todos são diferentes. Não apenas no temperamento mas no grau de evolução intelectual. Sim, eu disse intelectual. A Cinza foi, e porventura sempre será, a gata mais inteligente que eu já vi. Assim lhe dedicámos o cognome de “gato-pessoa”, pelo brilho, pelo afecto profundo, pela carência, pelo ciúme, por tudo aquilo que fez dela a mais luminosa presença da nossa casa durante os anos que agora julgaremos sempre tão curtos. E, no entanto, se as probabilidades mandassem, a Cinza já devia ter morrido há muito.

Quando a tristeza se apoderou das nossas vidas, no tempo suspenso de uma frágil gravidez perdida, foi ela quem sentiu mais fundo a dor que nos atingiu. Acolheu-a como sua, deixou de comer e assim se abeirou da morte. Duas novas palavras entraram na nossa casa: lipidose hepática. O estado clínico da Cinza disparava em valores dez vezes para lá de todas as esperanças. Diversos dias de internamento deixavam-na agora prostrada para a encontrarmos, mais um dia passado, à beira do fim.
Podíamos ler-lhe nos olhos: a Cinza desistiu de viver. Se aqui fica, morre. Falámos com os veterinários explicando porque tínhamos de levá-la para casa. Os médicos alertaram-nos para a complexidade do tratamento, com muita medicação e alimentação regular, por um tubo esofágico, de três em três horas, sem excepção. Sim, numa situação normal, levá-la para casa seria uma loucura. Mas nós não somos pessoas normais.

A Cinza viveu um mês em cima da nossa cama. Uma capa impermeável esticada, com cobertas por cima. Uma caixa de areia ao fundo, assim mesmo. Quase não se movia e a nada reagia. Mas foi sobrevivendo, dia-a-dia, àquela rotina desesperada. De quando em vez a indisposição sobrevinha para se perder em espasmos. Ficava desfeita. E a rotina recomeçava mais uma vez.
A pouco e pouco a medicação, a comida e o amor foram curando aquele frágil fígado doente. E regressou um dia, como se nada fosse, para o meio de nós, cumprimentando-nos com um novo primeiro beijo. Para mais uma vida.

A Cinza deixou este mundo, suspensa nas minhas mãos, no Domingo passado, juntando-se à nossa pequena cadela branca que morreu há cerca de dois meses. Todas as vidas começam encharcadas em dor e talvez uma nova vida tenha começado ali mesmo. Uma vida de que a Cinza já não fará parte, mas em que a lembrança dos seus gestos, dos seus abraços, dos seus beijos, do seu cheiro, fará sempre parte de nós. Possam todos conhecer, uma vez na vida, a bênção da devoção mais pura como a da nossa pequena Cinza, a gata mais extraordinária que alguma vez existiu.

I wonder now what she must have thought, behind those green eyes, as I invaded the sacred territory of a life shared with the one she deemed to be her only companion. Who is this man? What brings him to our place, invading our time of cuddling, when the night falls and the world belongs to just the two of us? I ignored Cinza just as she ignored me. Not for contempt or lack of affection. It was, in fact, the opposite, for when it comes to cats one should always respect their own time and space. [+/-]
Two weeks passed. I thought she would never offer me the compassion she candidly expressed for the woman I would one day marry. And there I was, distracted by some kind of business, when she came walking through it all and surprised me with her first sand paper kiss. Wonderful Cinza.

If you ever lived with a cat or a dog you know they are all very different. Not just in temper but in regard to intellect. Yes, I said intellect. Cinza was, and probably always will be, the most intelligent cat I have ever known. And so we gave her the nickname of “cat-person”, for her clarity, profound affection, neediness, jealousy, for all the magical things that made her the brightest presence in our home for years.

Cinza left this world, as I held her in my hands, last Sunday, joining our little white dog that passed away two months ago. Every life begins soaked in pain and perhaps a new life began that very moment. A life that Cinza will not be a part of, but in which the memory of her gestures, her hugs and kisses, her scent, will always be a part of us. May everyone know, at least once in this lifetime, the miracle of love and purest devotion that Cinza blessed us with, the most extraordinary cat that ever existed.

HoCo – Density Housing Construction & Costs

HoCo – Density Housing Construction & Costs is a new book from a+t architecture publishers.

A indústria de habitação é a área de produção arquitectónica mais vulnerável aos efeitos da crise económica. Isto tem, como consequência, a redução do volume de trabalho à disposição das firmas de arquitectura, bem como o encerramento de empresas na área de construção em todo o mundo. A capacidade de inovação é agora uma necessidade absoluta, não apenas para responder aos requisitos contemporâneos de eficiência e sustentabilidade ambiental mas também para cumprir exigências de racionalidade custo-benefício nas soluções para estes novos problemas.

MVRDV: Celosia Residence, Madrid, Spain, 2009. Image credits: Ricardo Espinosa (photos).

HoCo – Density Housing Construction & Costs é um novo livro que reúne uma vasta selecção de edifícios de construção recente. Trata-se do terceiro volume na série Density produzida pela editora de arquitectura a+t, e dá a conhecer uma análise comparada dos projectos baseando-se em definições relevantes como contexto urbano, capacidade residencial, modelo de promoção (público ou privado) e, mais curiosamente, custos de edificação. Cada projecto é apresentado com recurso a um conjunto de fotografias, desenhos e detalhes técnicos que permitem obter um entendimento aprofundado dos sistemas construtivos aplicados.

HoCo procura ainda estabelecer um debate em torno da sistematização na indústria da construção. Ainda hoje este sector preserva características próprias de metodologias artesanais, através da congregação de artífices de especialidades segmentadas reunidos no tecto de um mesmo empreendimento. No entanto, as exigências para estabelecer soluções viáveis no desenho material, eficiência energética e sustentabilidade global da produção arquitectónica são cada vez maiores, bem como as obrigações de manter todas essas tarefas dentro dos orçamentos estipulados. Os arquitectos têm assim de conjugar duas realidades aparentemente opostas: a eficiência linear da produção industrial com a imaginação própria de um artífice. Este livro apresenta um conjunto exemplar de projectos que revelam esse brilho criativo, propondo associações materiais atípicas e soluções de design capazes de obter os melhores resultados, colocando a inovação novamente no centro do debate arquitectónico do nosso tempo.

Dosmasuno Arquitectos: Carabanchel Housing, Madrid, Spain, 2007. Image credits: Miguel de Guzmán.

BIG+JDS: Mountain Dwellings, Copenhagen, Denmark, 2008. Image credits: Jens Lindhe.

The house building industry is the area of architectural production that’s more vulnerable to the effects of the economic crisis. It means that, all around the world, architectural studios are being downsized and construction companies are shutting down. Innovation is therefore needed not only to address the needs of contemporary life, merging the requirements of efficiency and environmental sustainability, but also to meet the demands for rational, budget-wise solutions to these new challenges.

HoCo – Density Housing Construction & Costs is a new book that gathers a wide selection of recently built housing projects. This is the third volume in a+t’s Density Series, presenting a comparative analysis of several key issues like urban insertion, dwelling capacity, promotion model (public or private) and, most interestingly, construction costs. Each project is featured with a comprehensive set of photos, drawings and building details that allow for a better understanding of the technical systems applied in its construction.

HoCo raises a debate on the issue of systematization within the construction industry. The building industry remains, to this day, a large-scale multi-disciplinary work of craftsmanship. But we now face the need to establish viable solutions regarding material design, energy efficiency and overall sustainability in architecture, and keep it on budget. Architects have to merge two opposing realities: the lean efficiency of industrialized production with the imaginative mind of a craftsman. This book presents an exemplary set of projects that reveal that creative spark, materializing atypical associations of components and design solutions to meet the finest results, and placing innovation, once again, at the heart of the architectural debate of our times.

Visit a+t architecture publishers for additional information on this book and other publications.